Revista ABCCMF
  Edição Atual
  Edições Anteriores
  Orientações/Envios de   Artigos
 
 
 
 
 
 

Brazilian Journal of Craniomaxillofacial Surgery
Revista Oficial da Associação Brasileira de Cirurgia Crânio-maxilo-facial.
Volume 9
Número 2  Julho-Dezembro/2005
TÍTULO
Aspectos epidemiológicos das fraturas de mandíbula
AUTOR
ALEXANDRE SIQUEIRA FRANCO FONSECA, DOV CHARLES GOLDENBERG, ENDRIGO BASTOS, GUSTAVO FLOSI STOCCHERO, DIANA CRUZ, NIVALDO ALONSO

RESUMO

Foi realizado estudo epidemiológico prospectivo, entre fevereiro de 2001 e novembro de 2004, com pacientes atendidos no pronto-socorro do HC-FMUSP, vítimas de fratura de face. Neste período, foram atendidos 170 pacientes, que tiveram seus dados tabulados e analisados. Selecionamos
o grupo de pacientes que apresentavam fratura de mandíbula, puras ou associadas a outras fraturas de face.
Foram obtidos dados referentes ao mecanismo de trauma, número e localização dos traços de fratura, nos diferentes grupos, sendo calculado um índice fratura/paciente. A análise dos dados obtidos revela números interessantes, principalmente no que se refere à relação das fraturas de
mandíbula com o uso de capacete em motos e bicicletas, o uso ou não do cinto de segurança em automóveis e a diferença de energia de impacto entre as fraturas de face com e sem fraturas de mandíbula.

Descritores Fraturas mandibulares, epidemiologia. Ossos faciais, lesões. Fraturas ósseas, epidemiologia.
TÍTULO Fendas lábio-palatais: rotina para anestesia e analgesia pós-operatória
AUTOR DIOGO FRANCO , ANDRÉIA FORTINI, LÚCIO AULER, TSA
RESUMO Objetivos: Descrever a rotina para anestesia e analgesia pós-operatória em pacientes fissurados.
Método: Cinqüenta pacientes foram submetidos à cirurgia reparadora de lábio leporino e/ou fenda palatal sob anestesia geral inalatória combinada ao bloqueio dos nervos infra-orbitário (lábio) e/ou bloqueio dos
nervos palatinos maiores (palato) ambos com 0,5 a 1 ml de bupivacaína a 0,5% com adrenalina 1:200.000.
Foram avaliados os tempos cirúrgicos e anestésicos, assim como a evolução no pós-operatório e a incidência de complicações. Resultados: Dos 50 pacientes, um apresentou broncoespasmo leve e outro sofreu extubação acidental, sendo ambas prontamente resolvidas, sem
maiores conseqüências. O tempo total da anestesia variou de 43 a 270 minutos, e o tempo total cirúrgico ficou entre 20 e 150 minutos.A analgesia foi considerada satisfatória pelo despertar e pós-operatório
tranqüilo na enfermaria. Conclusões: O adequado manuseio anestésico e analgesia pós-operatória se traduzem em segurança e conforto aos pacientes e médicos, além de menor risco de intercorrências.
Descritores Fissura palatina,cirurgia. Fenda labial, cirurgia. Analgesia. Anestesia.
TÍTULO Reconstrução de orelha utilizando uma única cartilagem costal: descrição modificada da técnica
AUTOR RENATO DA SILVA FREITAS, GILVANI AZOR DE OLIVEIRA CRUZ1, ÁLVARO FAGOTTI FILHO, NIVALDO ALONSO
RESUMO A cartilagem costal autóloga tem sido utilizada para a reconstrução de orelha em pacientes com microtia. O uso de três cartilagens (6º, 7º e 8º arcos costais) é o tratamento clássico nas reconstruções auriculares,
porém resulta em operação mais prolongada, havendo relatos de deformidades torácicas. Este estudo descreve a técnica de reconstrução de orelha, em 525 pacientes portadores de microtia, nos quais foi utilizada somente uma cartilagem costal. Os resultados estéticos foram
satisfatórios e não houve seqüelas torácicas.
Descritores Orelha externa, anormalidades. Orelha externa, cirurgia. Cartilagem, transplante. Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos, métodos.
TÍTULO Deslocamento mandibular do côndilo mandibular para a fossa cranial
medial: redução fechada deveria ser uma opção de tratamento?
AUTOR EMMANUELA NADAL, PEDRO L. DOGLIOTTI, MARIANA SABAS
RESUMO Apresentamos o caso de uma menina de 17 anos, que sofreu um deslocamento do côndilo mandibular para a fossa cranial medial após uma queda acidental. O exame físico e a tomografia computadorizada (TC) não revelaram sintomas ou sinais neurológicos. Durante redução
aberta via abordagem extra/intracraniana, percebemos a presença de lesões no lobo temporal. TC é considerada a base dos estudos de imagem para demonstrar deslocamento e hemorragia intracraniais ou
dano cerebral. Entretanto, no caso relatado, somente identificamos isto durante a redução aberta por via préauricular, combinada com uma abordagem intracranial.
Embora a redução fechada com manipulação manual seja considerada uma opção de tratamento por alguns autores, nós acreditamos que não é uma opção segura de tratamento, que pode ter implicações neurológicas e ameaçadoras à vida, em casos nos quais dano neurológico não é diagnosticado.
Descritores Côndilo mandibular, lesões. Fraturas mandibulares. Osso temporal. Luxações.

 

 


 


 
Copyright 2003 ABCCMF